domingo, 25 de junho de 2017

GUGU DADÁ


            5 years old                                                                   10 years old




NAS ENTRELINHAS




Amigos, os últimos acontecimentos entorno de Fernando Alonso: jantar de Briatore com Lauda e Wolff, e gerente do Alonso, Luis Garcia, reunido com o pessoal da Renault às claras; tem que ser lido nas entrelinhas.

A meu ver, isso é um sutil recado para a Honda. A Mclaren está fechada com o Fernando e quer forçar um rompimento com a Honda. Alonso quer ficar, porque não tem mais opções, mas sabe que com a Honda as chances de vencer são zero. Com a saída e a substituição do motor Honda pelo Mercedes a esperança renasce. É uma espécie de recado, se vocês continuarem, Alonso cai fora.

E a Mclaren + Honda sem Alonso é = Vandoorne

Em Baku ele teve problema de câmbio nos treinos, mas falou pelo rádio "engine". A tv ficou mostrando a cara do chefe Honda Hazegawa, mas a caixa de transmissão é McLaren. Não tem mais clima para a Honda continuar com o time. Qualquer problema que o carro tiver vai cair nas costas da Honda.

Para a Mercedes é interessante ter uma equipe forte como a Mclaren usando o seus motores.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

JABOUILLE

Vitória de Laffite em Zeltweg, Piquet foi terceiro


1981 - Uma grande reviravolta pouco antes do Grande Prêmio da Alemanha, foi a surpreendente saída de Gerard Ducarouge da Talbot Ligier. Responsável pelas vitórias da Matra em Le Mans, engenheiro especializado em aeronáutica, Ducarouge foi o cérebro da Ligier no seu início na Fórmula 1, mas com a fusão com a Talbot as exigências começaram a ser maiores, e passaram a ser questionadas as qualidades do chefe esportivo da Ligier.

Sem dúvida, Jacques Laffite nunca esteve tão próximo do título como em 1979, ano em que apareceram as JS 11. Naquela época, o sonho do início do ano foi apagado pela realidade das corridas que se seguiram ao fogo de palha da América do Sul.

Os erros se multiplicaram: bateu na África do Sul, errou de marcha e destruiu o motor na Espanha, e nem mesmo vice conseguiu ser. No ano passado, conseguiu apenas uma vitória, na Alemanha, e terminou o mundial em quarto.

Este ano porém, as coisas mudaram para o piloto francês. Conhecido como o ano da transição pela Talbot Ligier, uma temporada à espera do motor turbo da Matra, ninguém esperava grandes resultados, muito menos a ascensão de um carro "transitório".

Não se esperava, também, a saída de Gerard Ducarouge da equipe, e nem a chegada de um ex-piloto que teve grande influência na vitória de Jacques em Zeltweg: Jean Pierre Jabouille.

"Eu não sei como o pessoal da Renault foi tão inconsciente a ponto de permitir a saída de Jean Pierre", afirmou Laffite ao Jornal francês L'Equipe a propósito de Jabouille e de sua atual função na equipe Talbot Ligier.

Responsável pelo desenvolvimento dos Renault, engenheiro sem diploma, uma espécie de Ricardo Divila, o brilhante projetista da Fittipaldi, piloto, Jabouille é um apaixonado pela mecânica, pelo "acerto" de um carro. Na época em que a Renault pensava em disputar na Fórmula 1, Ronnie Peterson foi lembrado, e Jabouille se defendeu:

"Vocês podem chamar o Ronnie, pois ele é realmente muito rápido. Só que por ser piloto ele vai dar para vocês 1 segundo de vantagem em relação a um outro piloto. Eu posso dar dois, porque sei como acertar um carro. A vantagem está do meu lado".

Isso foi em 1976, quando ele ainda testava o Renault protótipo para a F1. Agora, com a saída de Ducarouge, Jean Pierre Jabouille é o responsável por todas as adaptações e regulagens do carro de Laffite, seu concunhado.

A verdade é que, coincidentemente ou não, as coisas tem andado melhor com a equipe depois que ele passou a ser o seu supervisor técnico, talvez pelo fato de que Jabouille raciocine como piloto e não como engenheiro, erro de que foi acusado Ducarouge, e de aplicar as modificações como engenheiro e não como piloto.







quinta-feira, 22 de junho de 2017

quarta-feira, 21 de junho de 2017

ME ENGANA QUE EU GOSTO



É incrível, mas todo dia sai alguma bobagem em relação a troca de pilotos. Falta notícia. Alguém precisa trocar a cor do capacete ou fazer uma nova tatoo, caso contrário vamos ter esse tipo de notícia todo o santo dia.

Lewis Hamilton volta a falar de aposentadoria, "Lewis's mind games"! Perder a infância dá nisso, o cara nunca vai crescer. Ele continua a falar essas bobagens porque ele precisa ser paparicado o tempo todo.

Toda semana Toto Wolff é obrigado a mimar a "criança". Sobra até para o coitado do Rosberg, que largou a F1 ano passado e ainda tem que aturar certas coisas. Segundo declarações recentes de Wolff, era Rosberg quem criava problemas dentro da equipe, brincadeira, não?

Agora Lewis ameaça largar a F1 em 2018 (de novo!). Isso se chama déficit de atenção. Faz isso porque tem a necessidade de ser mais paparicado dentro da equipe. Precisa de colo, mamadeira, chupeta e o "chocalho prateado" só para ele.

Recentemente, diante da ameaça de Alonso ir para a Mercedes, disse que Bottas era o companheiro ideal e que Alonso era tóxico. 

Após o GP de Monaco, foi o primeiro a gritar que tinha jogo de equipe na Ferrari. Apesar de colocar que é contra isso, fez isso só para mandar um recado para a Mercedes. Quer continuar a ter todas as atenções dentro do time. Enxerga na maturidade de Bottas uma ameaça.

Ano que vem não teremos mudanças nas principais equipes. Repito o que já disse, a única troca vai ser se a Mercedes não renovar com o Bottas, se isso acontecer a Ferrari assina com ele na hora.

Esquece essa bobagem de Max na Ferrari. Vettel vai renovar, já devem estar até com o contrato pronto e Max fica na Red Bull. Max não vai sair da RBR para ser segundo na Ferrari.

Nas quatro equipes grandes (incluo a McLaren) há harmonia no line-up de pilotos.

Na Ferrari, Vettel (ten years old) tem em Raikkonen um parceiro perfeito. Ainda é veloz e não cria problemas dentro do time (vide Monaco). A Ferrari não vai colocar um Sergio Perez para criar problemas dentro do time. Muito menos um Sainz. Renova com Kimi ou pega o Bottas.

Outra coisa. Sergio Perez é aquele cara que o trem passou e ele não pegou. Teve sua chance na McLaren, perdeu o bonde.

Na Red Bull, dupla perfeita. Dois pilotos velozes, com personalidades diferentes, que se completam. Marko não é louco de colocar um Sainz para infernizar a vida do Max.

A situação na Mercedes é mais complicada que na Ferrari. Tem Lewis Hamilton (five years old), comparado com Vettel, ele ainda usa fraldas. Vai colocar quem junto com ele? Não tem outro senão o Bottas. A coisa só não degringolou dentro da equipe, porque com o Bottas o que Lewis fala entra por um ouvido e sai pelo outro. Esse ano Bottas esta jogando com o time, mas ano que vem (se renovar) a coisa muda de figura, vai querer mais com certeza e ai bate de frente com o Lewis.

Alonso não deve ir para a Renault. Seria trocar seis por meia dúzia. Deve permanecer na McLaren, não tem outra opção. Vandoorne acho que continua. Os maus resultados não são por causa da mudança de regulamento dos carros, é só falta de motivação por pilotar um carro ruim. Com um carro bom vai mostrar serviço.





terça-feira, 20 de junho de 2017

ELIMINATOR




1983 - O disco de maior sucesso do trio texano ZZ Top, vendeu mais de 10 milhões de cópias. Foi a primeira aparição do famoso Ford 33 Eliminator do guitarrista Billy Gibbons, um colecionador de carros. Ele aparece em três videoclips.











LADO A


1 Gimme All Your Lovin' 3:59
2 Got Me Under Pressure 3:59
3 Sharp Dressed Man 4:13
4 I Need You Tonight 6:14
5 I Got The Six 2:52

LADO B

1 Legs 3:33
2 Thug 4:17
3 TV Dinners 3:50
4 Dirty Dog 4:05
5 If I Could Only Flag Her Down 3:40
6 Bad Girl 3:16
















sábado, 17 de junho de 2017